As violas, violões e guitarras que já usei

 

 

Violão Di Giorgio 18 1994

 

Tampo: Oregon Pine laminado

Fundo: Pau ferro laminado

Braço: cedro se não me engano

Escala: Pau ferro também se não me engano

Captação: não tinha

Tempo de uso: de Setembro de 1996 á Setembro de 1997

Histórico: Foi meu primeiro violão, comprei de um colega de escola chamado André. Com ele realmente aprendi a

tocar para valer. Foi um grande companheiro e com ele compus minhas primeiras músicas. Vendi ele para

um senhor que trabalhava com meu pai assim que comprei meu primeiro 12 cordas

 

 

 

Violão Epiphone 12 cordas 1997

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado laminado em cor de jacarandá escuro

Braço: cedro se não me engano

Escala: Pau ferro também se não me engano

Captação: não me lembro, pode ser que seja da própria fábrica

Tempo de uso: de Setembro de 1997 á Dezembro de 1998

Histórico: foi o 1ª violão de 12 cordas que tive. Comprei pois na época queria algo que se aproximasse de uma viola,

mas que ainda fosse um violão. Era modelo folk, dreadnought. Tinha um som muito legal e segurou bem o tranco.

Nunca deu problemas, só seu tamanho descomunal deixava a desejar. O braço também era nota 10. Foi um puta violão.

Troquei este por um violino em Janeiro de 2001 que depois troquei por uma viola nova.

 

 

 

Guitarra Finder Tonante 1998

 

Corpo: caixa de uva

Braço: pau de enxada

Escala: pau-sei la do quê

Captação: bizonha

Tempo de uso: de Agosto de 1998 á sei la, desintegrou...

Histórico: foi uma das coisas mais bizarras que tive. Peguei um dissídio que recebi e investi nessa jóia. Era tão boa que

larguei no porta malas do meu carro durante meses....acho que ela se desintegrou por la mesmo pois nunca

mais a vi

 

 

 

Viola Giannini MPB 10 cordas 1998

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado laminado em cor bege

Braço: cedro

Escala: pau-ferro

Captação: não tinha

Tempo de uso: de Dezembro de 1998 á Janeiro de 1999

Histórico: foi a primeira viola de 10 cordas que tive e a pior. Não afinava de jeito nenhum e após

cometer o erro de deixá-la dentro do meu carro em uma festa no interior, virou um berimbau.

Joguei fora depois disso

 

 

Viola Del Vecchio Ponteio 1998

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado laminado em cor bege

Braço: cedro

Escala: pau-ferro

Captação: não tinha

Tempo de uso: de Janeiro de 1999 á Dezembro de 1999 ( ainda a tenho )

Histórico: era uma violinha que aguentava o baque. Durou bastante e viajou muito comigo. Usei

ela em algumas ocasiões na época da OPVC e eu estava usando ela no dia em que conheci

o Carreirinho. Emprestei para um picareta que não me devolveu.

 

 

 

Guitarra Samick HJ650 1999

 

Tampo: maple

Fundo: maple

Braço: maple

Escala: jacarandá com marcações em madripérola

Captação: 2 hambuckers

Tempo de uso: de Outubro de 1999 á Fevereiro de 2000

Histórico: fui na loja decidido a comprar um baixo pois na época estava precisando mas acabei me apaixonando por esta

guitarra. Ela foi a primeira guitarra decente que tive. Sempre fui tarado por guitarras acústicas principalmente pelo fato de poder

tocar ela sem precisar plugar em um amplificador. Fiquei pouco tempo com ela,

pouco tempo depois me casei e as dificuldades me fizeram vender ela, claro que com muita dor no coração...

 

 

 

Viola Giannini GVSC3-EL 1999

 

Tampo: abeto maciço

Fundo: compensado laminado em cor clara

Braço: cedro

Escala: ébano

Captação: shadow

Tempo de uso: de Dezembro de 1999 á Abril de 2000

Histórico: foi a primeira viola "decente" que eu tive. Eu realmente gostava dela, mas o cavalete

começou a soltar e tive que trocá-la por uma melhor... só sua captação deixava e muito a desejar.

 

 

 

 

Viola Giannini CVSC5-EL 1999

 

Tampo: abeto maciço

Fundo: jacarandá maciço

Braço: cedro

Escala: ébano

Captação: shadow

Tempo de uso: de Abril de 2000 á Novembro de 2000, de Fevereiro de 2002 á Maio de 2002

Histórico: a primeira apresentação que fiz com esta viola foi no palco do Viola Minha Viola, no

dia 4 de Maio de 2000, com a OPVC. Era uma ótima viola, mas por não saber na época como falar o que eu

queria para o luthier, com o passar do tempo foi ficando ruim. Hoje sei que bastava uma boa regulagem.

Usei bastante esta viola, não só na orquestra, mas numa banda relâmpago ( estas que duram 3 ensaios )

chamada Viola Enluarada. Foi a primeira top-de-linha que tive. Vendi para um aluno meu.

 

Eu com a Giannini GVSC5-EL em Junho de 2000

 

 

Viola Xadrez Luxo 1986

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado laminado em cor bege

Braço: cedro

Escala: pau-ferro

Captação: totalmente improvisada com um single cool

Tempo de uso: junho de 2000

Histórico: usei muito pouco esta viola até pelo estado lastimável em que se encontrava, acabou

no lixo anos depois. Seu som acústico e plugado era muito bom.

 

 

Viola Antônio Jiacomini 2000

 

Tampo: cedro maciço

Fundo: jacarandá maciço

Braço: cedro

Escala: jacarandá preto

Captação: Fishman de contato, dentro do bojo do instrumento

Tempo de uso: Novembro de 2000 á Junho de 2001

Histórico: era uma violinha bem legal, mas muito pequena. Tinha apenas 48 cm de escala o que

dava muita dor de cabeça ao afinar em Mi Maior. Mas se você a afinasse em Sol, meu Deus, que

som absurdo. Plugada também tinha um som maravilhoso e encorpado graças as cordas que

ficavam bambas pelo tamanho da escala. Era muito bacana para dar aulas pelo seu tamanho.

Foi com ela também que eu fiz os primeiros meses de faculdade. Usei essa viola de Novembro

de 2000 a Junho de 2001.Troquei em Março de 2002.

 

Eu e seu Antônio Jiacomini com a pequena viola...

 

 

Viola Antônio Jiacomini 2001 ( modelo coração )

 

Tampo: cedro maciço

Fundo: pau-brasil maciço

Braço: cedro

Escala: ébano

Captação: Fishman de contato, dentro do bojo do instrumento

Tempo de uso: de Junho de 2001 até hoje

Histórico: acho que é uma das violas mais famosas que existe pois sua foto tá em tudo quanto é

lugar. Esta viola foi desenvolvida magistralmente pelo sr. Jiacomini. Tenho um livro sobre a carreira

do guitarrista Eric Clapton e em uma das fotos, de meados dos anos sessenta ele aparece tocando

um violão que tinha a boca em formato de coração. Levei o livro para o sr. Jiacomini e pedi que ele

fizesse a viola com a boca bem parecida com a da foto. O som dela é absurdo. Muito bom mesmo.

Me lembro quando gravei com o Nelson Barbosa para o programa Célia & Celma em Novembro de

2001, a música de abertura do programa foi tirada de um instrumental que fiz durante a gravação.

O som de viola que saia da TV era esplendoroso. Ela captada também é fabulosa, mas com uma

leve fraqueza no volume, o que pode ser facilmente resolvido em uma mesa de som. Seu primeiro

show também foi no palco do Viola Minha Viola, em 20 de Junho de 2001, com a OPVC. Foi com

ela também que fiz aquele que considero o meu melhor show, em Santos, no dia 7 de Julho de 2001,

com a OPVC, e o primeiro show da minha orquestra, em Dezembro daquele mesmo ano. Com ela

também eu terminei o ano letivo na faculdade. Esta aqui tem muita história pra contar e eu não

vendo, não empresto...Fora isso, foi com ela que eu gravei o meu "primeiro CD", que eu nunca

lancei....mas você pode ouvir o som dela nos MP3 que tem no site, como "Rio Sorocaba", "Chão

Marcado" e "Caipira Texano". Usei ela entre Junho de 2001 a Fevereiro de 2002, entre Dezembro

de 2002 a Março de 2003, Fevereiro de 2004 e de Dezembro de 2006 a Janeiro de 2008.

 

 

Viola Tonante 2000

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado

Braço: não sei

Escala: pau-ferro

Captação: não tem

Tempo de uso: nunca usei

Histórico: bizonha...acho que é essa a pior viola que tive...

 

 

Viola Rozini Cinturada Profissional 2002

 

Tampo: cedro canadense maciço

Fundo: jacarandá laminado em 3 camadas

Braço: cedro

Escala: jacarandá preto

Captação: Tron com equalizador, shadow e depois foi colocada mais um fishman de contato no bojo do

instrumento, a tornando assim estéreo, com duas entradas para jack

Tempo de uso: de Junho de 2002 á Março de 2003

Histórico: foi uma viola que me impressionou bastante. Tinha um som muito bom, uma pegada

muito boa, um visual bacana, mas sua captação era terrível. Por causa disso primeiro instalei

um captador de rastilho Shadow com equalizador que ficava na boca do instrumento, e um outro

captador, um Fishman de bojo. O som que esta viola tinha quando os dois captadores eram ligados

era uma coisa impressionante. Muito bom mesmo. Usei muito esta viola na época da OVSP. Ganhei

da Rozini, quando me tornei endosser deles. Usei essa viola de Junho de 2002 a Dezembro de 2002.

Troquei esta viola um ano depois...

 

Eu e o cantor Pantaneiro: viola Rozini Profissional, Junho de 2002

 

 

Viola Giannini GVSC4-EL 2002

 

Tampo: abeto maciço

Fundo: mogno maciço

Braço: cedro

Escala: ébano

Captação: Fishman Prefix com equalizador ativo

Tempo de uso: a partir de Março de 2003

Histórico: hoje é a minha reserva. Esta é uma das maiores guerreiras que já tive. Já dei mais de 5000 horas

de aulas com ela e ela continua lá, inteira e forte. Esta viola já era um sonho antigo. Curtia muito

o seu visual diferente, arrojado e a finura de sua caixa sonora. No dia em que eu a comprei, levei

para o luthier Saraiva que me trocou o rastilho e o cavalete, colocando ali peças de osso. Seu

som acústico puxa do médio para o agudo, sendo bem definido e plugada grita bastante. Graças

ao seu formato que pude ir a frente com o projeto de levar a viola ao rock, usando distorção e

outros efeitos, pois seu corpo de tamanho reduzido diminui bastante a microfonia. Uma das

violas que mais usei e curti ter até hoje, provando que nem sempre instrumento de fábrica significa

coisa ruim. Usei ela ininterruptamente de Março de 2003 a Dezembro de 2005, no final de 2006, meados

de 2007, início de 2010 e ao longo do ano de 2012 alternando entre ela e a Giannini C6

 

 

 

Viola Del Vecchio Ponteio 2002

 

Tampo: laminado

Fundo: compensado com laminado na cor bege

Braço: cedro

Escala: pau-ferro

Captação: não tem

Tempo de uso: nunca usei

Histórico: comprei e nunca a usei...dei para um grande amigo meu.

 

 

Viola Zalto Ernando Sina Nº9 2002

 

Tampo: não tenho especificação

Fundo: não tenho especificação

Braço: não tenho especificação

Escala: não tenho especificação

Captação: não tem

Tempo de uso: nunca usei

Histórico: é uma violinha feita por um senhor lá dos cafundós de Minas. Ganhei de um aluno meu.

Seu som é bem bacana, bem típico daquelas violinhas feitas a mão daquela região.

 

 

Violão Cort SFX L 2004

 

Tampo: Spruce

Fundo: Mogno

Braço: Mogno

Escala: Rosewood

Captação: Cort CE304T

Tempo de uso: Junho de 2004 a meados de 2004

Histórico: comprei para das aulas. Que violãozinho bacana e bem feito. Puta som, alto, limpo, pegada super macia,

um dos melhores violões que ja toquei. Excelente. Fiz a cagada de trocá-lo por um Giannini 12 cordas...claro que me arrependi

 

 

 

Violão Giannini GWSS 12 2004

 

Tampo: Sitika laminado

Fundo: Pau ferro laminado

Braço: Cedro

Escala: Pau ferro

Captação: Giannini pré ativo 5 bandas

Tempo de uso: meados de 2005 até hoje

Histórico: troquei pelo Cort pois queria um 12 cordas mas acabei não usando. Usei pouco apenas para compor

algumas coisas. Passou um tempo encostado, porém depois de uma bela reforma foi usado durante 1 mês

em Fevereiro de 2012, principalmente em 2 shows com a banda Sus Four. Por incrível que pareça é

um violão bem confortável de tocar, só seu som acústico não ajuda muito por ser todo laminado.

 

 

 

Viola Rozini Fiber Profissional RV131AT

 

Tampo: pinho sueco maciço

Fundo: Fiber Glass

Braço: Cedro

Escala: Jacarandá

Captação: própria da Rozini

Tempo de uso: entre Março e Junho de 2006

Histórico: uma das violas mais bonitas que tive, mas que não dei sorte na compra. Muito dura para tocar,

som acanhado e que não segurava a afinação nem com reza brava. Me injuriei dela e fui na própria Rozini

trocar por outra. Talvez tenha me faltado experiência para tirar o melhor dela. Usei ela entre Março e Junho de 2006

 

 

 

Guitarra Cort LSC1

 

Tampo: maple laminado

Fundo: maple laminado

Braço: maple

Escala: Jacarandá

Captação: Gibson

Tempo de uso: de Abril de 2006 a Fevereiro de 2012

Histórico: Eu tinha um puta contrabaixo Warwick modelo Corvette Pro-Line e quando ele ficou encostado resolvi trocar

por esta guitarra pois na época queria fazer curso de guitarra na faculdade. Foi um excelente instrumento, usei em muitas aulas

de violão pois o seu som acústico era muito bom. Troquei o captador do braço por um Gibson, o que deu a ela um som absurdo e muito bom.

Fiquei quase 6 anos com ela e vendi para meu pai

 

 

 

Viola Rozini Cinturada Profissional 2006

 

Tampo: pinho sueco maciço

Fundo: jacarandá laminado em 3 camadas

Braço: cedro

Escala: jacarandá preto

Captação: própria da Rozini

Tempo de uso: de Junho de 2006 a Novembro de 2010

Histórico: foi outra viola que me impressionou bastante. Ótimo som acústico e acabamento impecável.

Usei em algumas aulas e alguns shows que fiz no segundo semestre de 2006. Troquei por um amplificador.

 

 

 

Viola Rozini Série Sertaneja RV151

 

Tampo: marfim laminado

Fundo: imbuia laminado

Braço: cedro

Escala: pau-ferro

Captação: não possui

Tempo de uso: de Junho de 2006 em diante

Histórico: apesar de ser o modelo mais baratinho da Rozini, gostei bastante desta violinha. Bom acabamento, ótimo

som e muito macia para tocar. Excelente custo benefício para quem quer iniciar. Hoje é do meu filho

 

 

 

Viola Giannini GVSC6 EL

 

Tampo: abeto alemão

Fundo: jacarandá indiano

Braço: mogno

Escala: ébano

Captação: P-Band ativa

Tempo de uso: a partir de Janeiro de 2008

Histórico: comprei pela necessidade de uma viola nova e definitiva. Com um perfeito acabamento,

tocabilidade incrível, um puta som e ótima afinação, posso considerar uma das melhores violas que ja

tive. Excelente plugada, com um som forte, cheio, melhor ainda acústica. Seu corpo da a medida

certa do som, com graves, médios e agudos na medida certa. Perfeita para o tipo de trabalho que

faço hoje, com música instrumental. Com ela também toquei em uma banda de rock e por incrível que

pareça além de dar conta do recado, não deu microfonia. Atinge todos os pontos que fazem com que

eu adore uma viola. Outro ponto forte é a resistência. Essa ja passou por mais de 10000 horas de aula

e continua linda. Foi a única viola usada nas gravações do meu primeiro CD "Chão Marcado" em 2009

e em quase todos os shows de viola de Janeiro de 2008 á Junho de 2012.

 

 

Violão Hyunday 12 cordas 2012

 

Tampo: sem informações

Fundo: sem informações

Braço: sem informações

Escala: sem informações

Captação: sem informações

Tempo de uso: a partir de Janeiro de 2012

Histórico: ganhei de um dos meus melhores amigos e ex-parceiro de Nix Le Plix, o DT

 

 

 

Violão Takamine EG523SC 12 cordas 2012

 

Tampo: Sitka Spruce maciço

Fundo: Maple maciço

Braço: sem informações

Escala: Jacarandá baiano com marcações em madrepérola e abalone

Captação: TK 40

Tempo de uso: a partir de Março de 2012

Histórico: comprei pela necessidade e praticidade de um violão de 12 cordas que pudesse ser usado com

a afinação de violão e viola para aulas, shows e gravações. Chamo de 3 em 1, violão de 12

 cordas, viola e caso eu retire os pares um violão comum. Os puristas que me perdoem mas por incrível que

 pareça e apesar de não ser, tem um dos melhores sons de viola que ja tirei. Seu formato é o famoso Jumbo,

 tem um belo acabamento, um belo som, afina muitíssimo bem e tem um ótimo sistema de captação. Este

 foi comprado em Miami ( EUA ). Usei no início de 2012 em alguns shows com a banda Sus Four.

 Uso em cebolão D maior e quando quero E maior basta colocar um capo na segunda casa. Porém tive imensas

dificuldades em me adaptar ao instrumento pois infelizmente o mesmo veio com o braço torcido, o que

tornava quase inviável uma regulagem que desse para a tornar tocável.

 

 

 

Viola Rozini Ponteio Concertista 2012

 

Tampo: Abeto maciço

Fundo: Jacarandá maciço

Braço: Cedro com tensor de duplla ação

Escala: Ébano

Captação: Fishman Presys+

Tempo de uso: de Outubro de 2012 á Março de 2013

Histórico: ganhei essa viola da fábrica assim que firmamos parceria de Endorsee. Simplesmente fantástica, nunca

vi uma viola tão pequena ter um som tão grande. Possui um som agudo lindo, firme e muito gostoso. Sua pegada também

é ótima, muito macia. A captação é um verdadeiro espetáculo, é bem fiel ao som acústico usei entre Outubro de 2012 e

Março de 2013. Com ela gravei o Programa Bom Dia Campo em Novembro de 2012.

 

 

 

 

Viola Rozini Junior da Violla Signature Profissional 12 cordas

 

Tampo: Abeto maciço

Fundo: Jacarandá laminado

Braço: Cedro com tensor de dupla ação

Escala e cavalete: Jacarandá

Captação: Artec EDGE-BT com rastilho e microfone interno

Tempo de uso: a partir de Março de 2013

Histórico: também ganhei esta viola da Rozini pela parceria de endorsee. Instrumento com tampo maciço em abeto, fundo laminado

de jacarandá de tonalidade dupla, escala e cavalete em jacarandá, braço em cedro com tensor de dupla ação. É a realização de

um antigo sonho pois se trata de uma viola de 12 cordas que posso usar não só nas aulas de viola como também nas aulas de

violão. Além disso ela ajudou muito em meu trabalho solo pois graças ao 6º par de corda meu som ficou mais encorpado no palco.

 Esta viola foi a primeira 12 cordas fabricada na história da Rozini e também tem servido como protótipo para o lançamento de um

 novo modelo de viola. Por enquanto tem funcionado perfeitamente bem. Não é luxuosa, não tem madeiras nobres, não é uma

 top de linha mas é fantástica. Em termos de timbre e pegada é a melhor viola que ja tive, tem um som absurdo, timbre lindíssimo

 e a captação dupla com o microfone interno entrega um timbre muito fiel ao som acústico em qualquer situação de palco e me

possibilitou a inserção de arranjos percussivos nos shows graças a falta de frescura com a qual interajo com ela. É um instrumento

 sem frescura, pau para toda obra. Apesar de conhecer e usar violões de 12 cordas desde antes de usar a viola de 10 cordas

eu estava tendo muita dificuldade por conta da tensão das cordas do 12 cordas original, não estava me adaptando como previa.

 Esta viola veio para resolver este problema, pois é um 12 cordas com pegada de viola. Com ela pude finalmente unir meu trabalho

 tanto de viola quanto de violão em um único instrumento sem arrebentar a mão no braço do instrumento e ir muito além em

termos sonoros do que jamais imaginei ir em minha carreira.... Atual escudeira, ja conta com cerca de 2500 horas de aulas dadas,

graças ao fundo laminado posso usar e abusar de efeitos e distorções nela ja que o repertório da banda com a qual toco

hoje, o Carcaráz exige uma "2ª guitarra" em algumas músicas, papel a qual ela cumpre muitíssimo bem....

 

 

 

 

 

 

Viola Rozini Junior da Violla Signature Concertista 12 cordas

 

Tampo: Abeto maciço

Fundo: Jacarandá maciço

Braço: Cedro com tensor de dupla ação

Escala e cavalete: Jacarandá

Captação: Artec EDGE-BT com rastilho e microfone interno

Tempo de uso: a partir de Novembro de 2013

Histórico: Mais um instrumento que ganhei da Rozini graças a parceria de endorsee. Trata-se do mesmo modelo de viola citado acima

porém toda maciça, do modelo Concertista do catálogo da Rozini. Com tampo em abeto alemão bem rajado, fundo de jacarandá

baiano maciço, braço em cedro com tensor de dupla ação, captação Artec EDGE-BT com rastilho e microfone interno.

Grande instrumento hoje é a reserva das 12 cordas....

 

 

 

 

 

 

Voltar